sexta-feira, 24 de março de 2017

DIA MUNIDIAL DA ÁGUA

Cristalândia
Escolas da rede estadual de ensino, jurisdicionadas à Diretoria Regional de Ensinode Paraíso desenvolveram diversas ações alusivas ao dia da água. Como tema de extrema urgência, a abordagem sobre o tema é atual, implica a qualidade de vida e sustentabilidade. Palestras, passeatas e muitas outras ações fizeram parte da programação.










quinta-feira, 9 de março de 2017

Enem 2017 será em dois domingos seguidos de novembro



Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 será realizado em dois domingos consecutivos: 5 e 12 de novembro. No ano passado, a prova foi aplicada em um fim de semana (sábado e domingo, 5 e 6 de novembro). A modificação integra uma lista de novidades divulgadas pelo Ministério da Educação (MEC) na manhã desta quinta-feira (9).
As demais mudanças foram:
  • Primeiro domingo terá linguagens, ciências humanas e redação, com cinco horas de prova; no segundo, matemática e ciências da natureza, com quatro horas e meia de prova
  • Cadernos de prova serão personalizados, com nome e número de inscrição na capa e cartão de respostas
  • Passam a ser isentos da taxa de inscrição também aqueles que tiverem cadastro no CadÚnico (que reúne famílias de baixa renda)
  • Não serão divulgados dados do Enem por escola
  • Isentos do pagamento da inscrição que não comparecem perdem direito ao benefício no ano seguinte se a ausência não for justificada
  • Enem não valerá como certificado do ensino médio
  • Solicitação de tempo adicional para atendimento especial deve ser solicitada na inscrição
  • MEC diz que estudantes recusaram, em consulta pública, possibilidade de fazer a prova no computador
A decisão de alterar o esquema de datas do Enem foi tomada após a realização da consulta pública sobre o exame, entre os dias 18 de janeiro e 17 de fevereiro. Dos mais de 600 mil participantes, 63,70% votaram que o Enem deveria ocorrer em dois dias e 36,30% opinaram que deveria ser aplicado em um dia só.

Em seguida, aqueles que participaram da consulta pública tiveram de responder à seguinte questão: “Caso o exame continue sendo aplicado em dois dias, qual formato deverá ser realizado?”.
A maior parte (42,30%) optou que ele ocorresse em dois domingos seguidos – por isso, o MEC implementou a mudança.
Em segundo lugar, ficou a opção de um domingo e uma segunda-feira (que se tornaria feriado escolar), votada por 34,10% dos participantes. Por último, restou a alternativa de manter-se o esquema até então vigente, de sábado e domingo, com 23,60% dos votos.
Sabatistas
Uma das consequências da realização do exame somente aos domingos é atender uma antiga reclamação dos candidatos sabatistas – por causa da religião, eles só podem estudar ou trabalhar aos sábados após o sol se pôr.
Consequentemente, todos os anos, eles entram no local de prova às 13h (horário de Brasília) e ficam isolados em uma sala até as 19h, quando começam o exame. No Acre, por exemplo, por causa do fuso horário, o tempo de espera é de 9 horas.
De acordo com o Inep, isso faz com que cada candidato sabatista custe para o governo R$ 16,39 a mais do que os demais participantes, devido às despesas extras trazidas pela aplicação do exame à noite no sábado. No Enem 2016, os 76 mil sabatistas que fizeram a prova acarretaram um gasto de aproximadamente R$ 646 mil.
Ordem das provas em cada dia
Redação, linguagens e ciências humanas serão os temas do primeiro dia, com duração de cinco horas e meia de prova. Uma semana depois, será feita a prova de matemáticas e ciências da natureza, com quatro horas e meia para realização.
A diagramação das provas também será alterada, buscando uma apresentação "mais amigável", segundo o Inep.
Inscrições
As inscrições para o Enem 2017 ficarão abertas entre os dias 8 e 19 de maio de 2017. O edital com mais informações sobre o exame será publicado até o dia 10 de abril, segundo o MEC.
Isenção da taxa de inscrição
De acordo com a pasta, continuarão isentos da taxa de inscrição os concluintes do ensino médio de escolas públicas, os candidatos com renda familiar per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio e aqueles que cursaram o ensino médio completo em escola da rede pública ou como bolsista integral de escola privada.
A novidade do Enem 2017 é que passam a ser isentos também aqueles que tiverem cadastro no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal), que reúne famílias em situação de pobreza e pobreza extrema. Para comprovar o dado, o candidato deverá informar, no ato da inscrição, o NIS (número de identificação social) – o sistema permitirá a busca automática.
Data do resultado
Os resultados do Enem 2017 serão divulgados em 19 de janeiro de 2018. Os candidatos continuarão podendo acessar o resultado por área de conhecimento e o desempenho individual.
Fim do 'ranking' do Enem por escola
O MEC também decidiu que não haverá mais o resultado do Enem por escola – dado que costuma ser disponibilizado anualmente. A lista é popularmente conhecida como "ranking" do Enem por escolas.
Sobre a exclusão desse dado, a presidente do INEP Maria Inês Fini afirmou que a mudança é uma reivindicação antiga dos especialistas em educação. "O Enem não avalia escola, avalia o estudante e isso é só um dos muitos indicadores para poder avaliar uma escola".
Ainda sobre o cancelamento do resultado por escola o ministro da Educação, Mendonça Filho afirmou que "o ranking das escolas que é utilizado como propaganda, e não é missão do Estado brasileiro estabelecer esse ranking. Produzia um desserviço e uma desinformação. "
Ausência
O candidato que obtiver a isenção da taxa de inscrição e não comparecer à prova perderá o benefício no Enem 2018, caso queira solicitá-lo novamente. A exceção ocorrerá nos casos em que o indivíduo justificar sua ausência por meio de atestado médico ou documento oficial que comprove a impossibilidade de seu comparecimento. Antes, bastava fazer uma autodeclaração com a justificativa da ausência.
Estrutura da prova e segurança
Os participantes do Enem 2017 receberão cadernos de prova personalizados, com o nome e o número de inscrição escritos na capa, juntamente com os cartões de resposta encartados, que também levam os dados do candidato.
Continuam havendo quatro cadernos diferentes, identificados por cores, para manter a segurança do exame.
Certificação do ensino médio
O MEC já havia informado que o Enem não poderia mais ser usado como certificação do ensino médio. A partir de 2017, os jovens poderão obter o documento pelo Encceja (Exame Nacional de Certificação De Competências de Jovens e Adultos) – tanto para ensino fundamental quanto para ensino médio.
Atendimento especializado
Aqueles candidatos que precisarem de atendimento especializado na prova, como no caso daqueles que têm alguma deficiência, deverão fazer a solicitação de tempo adicional no ato da inscrição, apresentando um documento que comprove a necessidade do benefício.
No Enem 2016, o requerimento era feito nos dias de aplicação do exame – foram 68.907 solicitações na última edição da prova.
Reforma do ensino médio
É importante esclarecer que as mudanças no Enem 2017 não têm relação com a reforma do ensino médio. O MEC lembra que ainda é preciso concluir a Base Nacional Curricular Comum (BNCC), documento que lista os conteúdos obrigatórios a serem ensinados nas escolas, para que as instituições de ensino tenham tempo de ensinar essas matérias em sala de aula. Só depois é que ocorrerão mudanças no conteúdo do exame.
Prova virtual
Outra questão levantada pela consulta pública diz respeito à realização da prova por computador. O MEC já havia avisado que, caso a mudança fosse aprovada, não seria implementada antes de 2018. Mas os participantes votaram contra a prova virtual: 70,10% disseram não a ela.
Sobre o resultado, o ministro se disse surpreso e afirmou ainda acreditar que a medida será inevitável. "De fato foi uma surpresa, eu imaginava que a maioria indicaria o computador como mecanismo para aplicação da prova e aí contradiz um pouco ou bastante a própria tendência do jovem. De um lado acho que há sempre um receio com relação à segurança, de que o computador poderia facilitar fraudes e, de outra parte, o medo com relação ao novo. O ser humano gosta do novo, mas ele não gosta de ousar. Eu acho que é uma coisa inevitável, não sei em quanto tempo a gente vai conseguir promover essa mudança, mas ela virá", disse o Mendonça Filho.
Consulta pública
O MEC realizou uma consulta pública sobre o Enem do dia 18 de janeiro até 17 de fevereiro. Os participantes, após preencherem um formulário com nome completo, e-mail e CPF, responderam três questões:
- A primeira questionava se o exame deveria continuar ocorrendo no formato atual, em dois dias, ou se aconteceria em um dia só, com um número reduzido de questões. A intenção, conforme declarado pelo ministro Mendonça Filho, era estudar a possibilidade de haver economia nos custos de segurança e de volume de papel.
Segundo o Inep, especialistas contratados pelo governo garantiram que não haveria redução na qualidade do exame caso ele ficasse concentrado em uma jornada. Em janeiro, o MEC reforçou que não haveria a possibilidade de eliminar a redação do Enem.
- A segunda questão era sobre a possibilidade de aplicação da prova por computador. A pasta afirmou que, caso a mudança fosse aprovada, não seria implementada antes de 2018, por exigir uma nova demanda de infraestrutura e de modificação no sistema de segurança do Enem.
- A última pergunta da consulta pública permitia que o participante escrevesse contribuições para o aprimoramento do exame.

terça-feira, 7 de março de 2017

Servidores da Regional de Paraíso apresentam demandas e propostas à equipe gestora da Seduc



Conhecer as equipes, debater ideias, ouvir demandas e sugestões para ampliar a qualidade da educação tocantinense e aproximar a gestão da escola, por meio dos professores, estudantes e todos os profissionais da Educação do Tocantins. Com esse objetivo, a equipe gestora da Secretaria de Estado da Educação Juventude e Esportes (Seduc) visitará todas as Diretorias Regionais de Educação (DRE).
A DRE de Paraíso foi a primeira Diretoria a receber a ação que acontece nesta segunda-feira, 6. Pela manhã a Secretária de Estado da Educação, Juventude e Esportes, professora Wanessa Zavarese Sechim, visitou todos os setores da sede da Regional, acompanhada do diretor Regional, Neivon Bezerra, e da assessora pedagógica, Aparecida da Penha Coelho, em que conversou com os 64 técnicos que trabalham na sede da DRE, e ouviu as reivindicações, sugestões e elogios sobre o trabalho que está sendo desenvolvido.
A equipe foi recepcionada pela Orquestra Sinfônica Granada do Tocantins, com apresentações das músicas Jesus Cristo, Raridade e Just Give Me a Reason. A regente Dorinha Brandalise explicou que o projeto é desenvolvido desde 2013, apresentou as necessidades do grupo, e o interesse em continuar com a proposta. “A Orquestra conta atualmente com 40 integrantes, a partir de 11 anos de idade, e é composta por estudantes e professores da rede pública estadual e municipal. Eles amam e querem desenvolver da melhor forma este trabalho em Paraíso”. Além da regente, a apresentação contou com a participação de oito alunos e três professores.
Professora Wanessa Zavarese Sechim agradeceu a receptividade e ressaltou a importância da música. “A arte na educação é um vocabulário diferente, por meio dela fazemos com que mais pessoas sejam alcançadas, uma vez que usamos diversas formas de linguagens”. A titular da pasta garantiu buscar auxílio para expandir o projeto e potencializar o trabalho da equipe.
Visita
O grupo reuniu-se com o prefeito Moisés Nogueira Avelino e a secretária municipal de Educação e Cultura, Lizete Coelho, para levar os anseios da educação pública. “Não podemos trabalhar a educação individualizada. Para que ela funcione e amplie precisamos realizar o máximo de parcerias possíveis, com instituições privadas, públicas e principalmente o apoio dos municípios para trabalharmos em conjunto”, destacou Wanessa Zavarese Sechim.


Desafios
Durante a apresentação, a titular da Seduc ressaltou que o trabalho que será desenvolvido neste ano está baseado em quatro eixos cruciais e desafiadores, que envolve todos os setores da educação. “Precisamos trabalhar com foco no aluno, a nossa profissão só existe porque existem estudantes, portanto nosso trabalho precisa ser voltado para eles, uma vez que o acesso do aluno está na escola, precisamos oferecer o atendimento ao aluno, sua permanência na escola e sua aprendizagem, que também acontece na escola. Portanto, o protagonista de todo este trabalho é o aluno, e precisamos abraçar essa proposta, voltar os olhos para os nossos alunos, dar suporte para as nossas escolas”.
Wanessa Zavarese Sechim frisou que para 2017 a meta do Estado para a Regional de Paraíso é que nos anos iniciais se obtenha média de 5.6. Já nos anos finais, a meta é de 4.9. “O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) mostra que os anos iniciais têm crescido, mas que nos anos finais paramos de crescer, e isso preocupa a nós, enquanto educadores, e também o governador Marcelo Miranda, que nos solicitou a retomada de ações, apresentação de propostas, parcerias e programas, como foi o caso do Programa Escola de Gestão Compartilhada.
Remanescente de Goiás, servidora da educação há 33 anos, a orientadora educacional Suely Aparecida Borba relatou que o seu trabalho baseia-se em mediar conflitos, ouvir as demandas dos diretores, dos alunos, e servir como elo entre escola e comunidade. A orientadora explicou que realiza visitas in loco, em que é feito um trabalho com diretores, coordenação pedagógica e orientação, em prol da aprendizagem do aluno.
“A visita da secretária mostra seu interesse em fazer uma gestão democrática. Ela não é uma secretária de gabinete, veio conhecer a nossa realidade, realidade da qual ela veio, pois é servidora efetiva como docente, e esperamos que a política de alinhamento voltada para os alunos se conclua, que os nossos índices melhorem, e isso só se consegue com dedicação e muito trabalho”, concluiu Suely Borba.
Proposta pedagógica
Para 2017, a Seduc apresentou uma nova proposta pedagógica que inclui mudanças na Estrutura curricular, alteração no calendário letivo e de conteúdos. No calendário, a agenda do professor está alinhada ao planejamento, conselho de classe, análise dos resultados e discussão das metas. A nova Estrutura Curricular acompanha o calendário, com a redução do tempo de aula, aumento no número de aulas e inserção de demais disciplinas e menor número de alunos por turma
Reivindicações
Dentre as reivindicações da DRE de Paraíso, uma das principais demandas dos técnicos pedagógicos, supervisores, orientadores, inspetores, assessores de currículo, foi para maior dinâmica nos prazos para entrega de diários, e exigência da carteira de identificação no ato da matrícula.
Wilson Alves, superintendente de Tecnologia e Inovação, ressaltou que a partir de maio será possível ter acesso a um relatório mensal com os conteúdos trabalhados, aulas previstas e aulas ministradas. O Sistema de Gerenciamento Escolar (SGE) é um apoio ao pedagógico, que fornece dados e informações cruciais na tomada de decisão. Para que se obtenha o diagnóstico, é necessário que as unidades insiram as informações no sistema.
A secretária disse que conhece e reconhece este desafio. “Estamos cientes das nossas limitações em todas as ordens, mas o compromisso em fazer educação deve ser maior e, se todos trabalharem de forma integrada, nós poderemos oferecer algo melhor para nosso aluno. Sei que faltam condições, mas o motivo da nossa visita é justamente esse, ouvi-los para saber como podemos ajudar a fazer mais e melhor do que vocês já fazem”.



Seduc ouve demandas dos estudantes para a melhoria da Educação tocantinense


Mais de cem alunos do ensino médio das Escolas Estaduais Idalina de Paula, de Paraíso, São Pedro, de Abreulândia, João Dias Sobrinho, de Divinópolis, que fazem parte da Diretoria Regional de Educação (DRE) de Paraíso reuniram-se na tarde desta segunda-feira, 6, na Escola Estadual São José Operário para conversar com a secretária, professora Wanessa Zavarese Sechim para discutir sobre diversos temas, dentre eles a nova Estrutura Curricular implantada na rede pública estadual em 2017
Professora Wanessa Zavarese Sechim agradeceu a oportunidade em conversar com os alunos do ensino médio, parabenizou a unidade José Operário por conquistar por anos consecutivos o prêmio de Referência em Gestão Escolar.  “Ao assumirmos a pasta realizamos um diagnóstico e começamos a pensar como ajudar e apoiar a escola, pois o objetivo da educação é trabalhar o processo de ensino aprendizagem do aluno. E não temos alunos na Secretaria e tampouco na DRE, portanto, o nosso trabalho precisa e deve ser feito também nas escolas para que conheçamos as realidades, peculiaridades e pluralidades da educação tocantinense, pois só assim cumpriremos o nosso papel de educadores, em fazer educação”. 
Para a diretora da unidade educacional São José Operário, Gildene Benício, a visita da secretária de Estado da Educação, Juventude e Esportes, professora Wanessa Zavarese Sechim, contribui para motivar os alunos. “Como não conseguiríamos trazer todos os alunos desta regional para o encontro, convidamos alguns estudantes das escolas para ouvir as propostas traçadas pela gestão, e falar de seus anseios e também de suas satisfações, como, por exemplo, da proposta da nova estrutura curricular”. Sentimo-nos honrados com a presença da secretária, que está fazendo uma gestão extraordinária, uma vez que, até então, pouco se ouve os estudantes.
Duas apresentações foram realizadas pelos estudantes da Escola Estadual São José Operário. Os estudantes Rebeca Chalana Pinto e Jorge Alves realizaram a abertura do encontro com a apresentação do hino Digno ao Senhor.  O poema Deus Negro de Neimar de Barros foi declamado pelo aluno Lucas Santana, que contou com a interpretação das estudantes Gabriela Ribeiro e Carla Alves.
A titular da Seduc apresentou aos alunos a nova Estrutura Curricular que agrega planejamento e diagnóstico de resultados por meio da avaliação diagnóstica, simulados que iniciarão a partir deste mês, ampliação das aulas, inserção de língua inglesa nas séries iniciais do Ensino Fundamental, análise do perfil do professor, dentre outras.

“O nosso intuito em realizar essa mudança é fazer com que o aluno aprenda, sinta-se em casa, tenha interesse e veja que é possível sim realizar sonhos. Nós queremos preparar o aluno para que ele esteja pronto, independente de qual futuro escolher, seja entrar no mercado de trabalho, no ensino superior, ou curso técnico, ele precisa estar pronto para qualquer uma dessas situações”, disse Wanessa Zavarese Sechim.
Estudantes
Wanessa Zavarese Sechim ressaltou aos alunos que a equipe da Seduc, em parceria com os diretores regionais e gestores das escolas, está fazendo um levantamento das demandas e necessidades nos diversos aspectos. O encontro foi encerrado com os agradecimentos da aluna Jessiane dos Anjos, representando todos os alunos presentes.